O Dilema do prisioneiro

1.733 Comentários

Na formação profissional recorre-se com frequência a casos para que os participantes atinjam os objetivos, sem ser necessário recorrer a teorias muito elaboradas, e aprendam de modo divertido.

O “dilema do prisioneiro” pode fazer-se com dois grupos ou com duas pessoas, mas de modo a que uns não saibam a informação que é dada aos outros. Dá-se a seguinte informação: “Por serem suspeitos de um crime, estão presos. Contudo e porque a polícia não tem provas suficientes para vos condenar é-vos oferecido o seguinte acordo:

– Se um testemunhar contra o outro e o outro permanecer em silêncio, o que confessou sai livre enquanto o cúmplice que ficou em silêncio, cumprirá 10 anos de cadeia.
– Se ambos ficarem em silêncio, só poderão ser condenados a 6 meses cada um.
– Se ambos traírem o companheiro, cada um leva 5 anos de cadeia.”

Cada prisioneiro toma a decisão sem saber que decisão o outro vai tomar. Nenhum tem a certeza da decisão do outro. A questão que o dilema propõe é: o que vai acontecer? Como irá reagir cada um?

Será que ambos vão cooperar para minimizar a pena ou ser que algum, confiando no silêncio do outro, trairá o colega para ganhar a liberdade? Este caso é o exemplo de um problema onde é necessária sintonia e discernimento na tomada de decisão, pois só dessa forma, os dois poderão ganhar. Nesta situação, como em outras, supõe-se que cada jogador, de modo independente, quer aumentar ao máximo a sua própria vantagem sem se importar com o resultado do outro, chegando ao ponto de o trair, quando ambos poderiam obter um resultado melhor se colaborassem. E cada jogador é incentivado pelos animadores a defraudar o outro.

O que menos importa para os objetivos são as penas de prisão, pois o que se pretende é analisar como é feita a tomada de decisão quando a confiança e a traição fazem parte da estratégia. Nos negócios e no interior das organizações a confiança e a traição também poderão acontecer.

Daí que depois dos resultados do caso, sejam debatidas situações que se passam nos locais onde os participantes trabalham e o modo como tirar partido delas.

Comments are closed.